A dissipação de energia sonora num recinto fechado processa-se, quando o campo sonoro estabelecido é difuso (campo com a mesma densidade de energia sonora em cada ponto do espaço), para condições de incidência nos elementos do contorno segundo todas as direcções. Esta dissipação de energia é traduzida pelo coeficiente de absorção sonora α do material onde ocorre a incidência em causa, sendo este coeficiente definido, para cada frequência f, ou para as bandas com frequência central fc, pela seguinte relação:considerações_1

Se o contorno do recinto fechado for constituído por elementos de superfície, Sn , de materiais diferentes, define-se o coeficiente de absorção sonora médio, para uma dada frequência, ou banda de frequências, pela expressão:

considerações_2

Quando uma fonte sonora começa a funcionar num espaço fechado a potência sonora que emite é superior à potência dissipada na envolvente e no ar existente nesse mesmo espaço. Esta situação evolui para um estado permanente em que a potência sonora da emissão iguala a potência correspondente à dissipação; caso contrário o valor da potência sonora no espaço em questão aumentaria indefinidamente.

Logo que a igualdade referida se encontra estabelecida, a potência dissipada no contorno é composta por duas parcelas uma devida à primeira incidência (campo sonoro directo), dada por αW – onde W representa a potência sonora da fonte – , e outra devida às n reflexões sucessivas ocorridas na envolvente, de valor (1-αW),a qual constitui o campo reverberante.

O nível de pressão sonora pode ser calculado a partir do nível de potência sonora da fonte Lw , com factor de direccionalidade D e constante acústica de espaço R.

considerações_3